sexta-feira, janeiro 06, 2012

Tirando dúvidas sobre reciclagem

                                         VOLUME DE LIXO GERADO NO BRASIL

 O Brasil produz 240 mil toneladas de lixo por dia. O aumento excessivo da quantidade de lixo se deve ao aumento do poder aquisitivo e ao perfil de consumo de uma população. Além disso, quanto mais produtos industrializados existir, mais lixo é produzido, como embalagens, garrafas, etc.}

Essa quantidade equivale a duas filas de caminhões de lixo de cinco toneladas, ocupando o espaço de dez pontes Rio-Niterói. Só a cidade de São Paulo produz, em um mês, lixo suficiente para encher todo o estádio do Morumbi.

Cada brasileiro gera diariamente, em média, 800 gramas de lixo.


                                                 DECOMPOSIÇÃO DO LIXO

Na natureza, toda a matéria orgânica viva se decompõe rapidamente e ainda ajuda a tornar a terra mais fértil para alimentar novo seres que virão. Mas, com os seres humanos é diferente, porque são os únicos seres vivos que produzem coisas artificiais, e, algumas delas como latas de refrigerante, plástico e vidro levam uma eternidade para se decompor.
TABELA DE DECOMPOSIÇÃO DO LIXO
Material
Tempo para decomposição
Jornais
De 2 a 6 semanas
Embalagens de papel
De 3 a 6 meses
Fósforos e pontas de cigarros
2 anos
Chiclete
5 anos
Nylon
30 anos
Tampas de garrafas
150 anos
Latas de alumínio
De 200 a 500 anos
Isopor
400
Plásticos
450 anos
Fralda descartável comum
450 anos
vidro
1.000.000 de anos (um milhão)

                                                             RECICLAGEM

A reciclagem é um conjunto de técnicas que tem o objetivo de aproveitar os restos e reutilizá-los no processo de produção de que saíram. Eles são desviados, coletados, separados e processados para serem utilizados como matéria-prima na fabricação de novos produtos.

A reciclagem de materiais é muito importante, tanto para diminuir o acúmulo de dejetos, quanto para poupar a natureza da extração inesgotável de recursos. Além disso, reciclar causa menos poluição ao ar, à água e ao solo.

O consumidor pode auxiliar no processo de reciclagem das empresas. Se separarmos todo o lixo produzido em residências, impedimos que a sucata se misture aos restos de alimentos, o que facilita seu reaproveitamento pelas indústrias. Dessa forma, evitamos também a poluição.


                                                 BENEFICIOS DA RECICLAGEM

Contribui para diminuir a poluição do solo, água e ar.
Prolonga a vida útil dos aterros sanitários e evita o aparecimento de aterros clandestinos.
Melhora a produção de compostos orgânicos.
Gera renda pela comercialização do material a ser reciclado.
Economiza água, energia elétrica e evita a extração de matéria-prima da natureza. Favorece a limpeza da cidade, pois o morador que adquire o hábito de separar o lixo dificilmente o joga nas vias públicas.
A reciclagem dá oportunidade aos cidadãos de preservarem a natureza de uma forma concreta. Assim, as pessoas se sentem mais responsáveis pelo lixo que geram.

                                              RESULTADOS DA RECICLAGEM

Uma tonelada de papel reciclado poupa 22 árvores do corte, consome 71% menos energia elétrica e representa uma redução de 74% na poluição atmosférica.

Uma tonelada de plástico economiza 130 quilos de petróleo, um recurso não-renovável.

Reciclar uma tonelada de alumínio gasta 95% menos energia e poupa a extração de cinco toneladas de minério. A energia economizada para reciclar uma única lata de refrigerante é suficiente para manter uma televisão ligada por três horas.

Para cada garrafa de vidro reciclada é economizada energia elétrica suficiente para acender uma lâmpada de 100 watts durante quatro horas. O vidro é 100% reciclável, ou seja, todo vidro usado pode virar vidro de novo infinitas vezes.

Formas de contribuir com a melhora do nosso ecossistema aplicando os 3 Rs.

Reduzir, Reutilizar, Reciclar – (3 Rs).

Os 3 Rs são os passos fundamentais, segundo a Agenda 21, para reduzir o volume do lixo produzido e, conseqüentemente, a exploração de recursos naturais e o impacto ambiental.
Reduza

* Revise textos na tela do computador antes de imprimi-los
* Faça somente o número de fotocópias necessário.
* Recuse folhetos de propaganda que não forem de seu interesse.
* Faça assinatura comunitária de jornais e revistas.
* Substitua descartáveis como guardanapos, copos, talheres e canudos por similares duráveis.
* Evite consumir produtos com embalagens supérfluas, sofisticadas ou que dificultem a reciclagem (isopor, longa vida, celofane etc.).

                                                                 Reutilize

* Aproveite envelopes, cartolinas e folhas de papel com verso livre para rascunho (escrita, impressão, fax, fotocópias).
* Aproveite talos e folhas de verduras, cascas de frutas etc.
* Reutilize frascos e potes para armazenar alimentos.
* Reaproveite sobras de materiais de construção
* Conserte ou transforme utensílios e aparelhos (sapateiros, costureiros, restauradores etc.). Caso esses objetos não sejam mais úteis para você, doe-os para quem precisa.
                                                                Recicle


* Separe os recicláveis como papéis, plásticos, vidros e metais. Os materiais devem estar limpos (livres de resíduos orgânicos, restos de comida). Depois, informe-se como participar do programa de coleta seletiva da sua cidade.


                                                      COLETA SELETIVA

É um sistema de recolhimento de materiais recicláveis, tais como papéis, plásticos, vidros, metais e orgânicos, previamente separados na fonte geradora. Estes materiais são vendidos às indústrias recicladoras ou aos sucateiros.

As quatro principais modalidades de coleta seletiva são: domiciliar, em postos de entrega voluntária, em postos de troca e por catadores.

A coleta seletiva domiciliar assemelha-se ao procedimento clássico de coleta normal de lixo. Porém, os veículos coletores percorrem as residências em dias e horários específicos que não coincidam com a coleta normal.

A coleta em PEV (Postos de Entrega Voluntária) ou em LEV (Locais de Entrega Voluntária) utiliza normalmente contêineres ou pequenos depósitos, colocados em pontos fixos, onde o cidadão, espontaneamente, deposita os recicláveis.

A modalidade de coleta seletiva em postos de troca se baseia na troca do material entregue por algum bem ou benefício.

O sucesso da coleta seletiva está diretamente associado aos investimentos feitos para sensibilização e conscientização da população. Normalmente, quanto maior a participação voluntária em programas de coleta seletiva, menor é seu custo de administração. Não se pode esquecer também a existência do mercado para os recicláveis.

                               PADRÂO DE CORES PARA COLETA SELETIVA.

A RESOLUÇÃO CONAMA N° 275 DE 25 DE ABRIL 2001 (Conselho Nacional do Meio Ambiente) estabeleceu o padrão de cores para a coleta seletiva sendo:

VERMELHO: plástico
AZUL: papel/papelão
AMARELO: metal
VERDE
: vidro
PRETO: madeira
LARANJA: resíduos perigosos
BRANCO: resíduos ambulatoriais e de serviços de saúde
ROXO: resíduos radioativos
MARROM: resíduos orgânicos
CINZA: resíduo geral não reciclável ou misturado, ou contaminado não passível de separação
Plástico (lixeira cor vermelha)
Garrafas pet (refrigerante, água, suco), sacolas, embalagens em geral (produtos alimentícios, limpeza, higiene), brinquedos, canos e tubos de PVC, utensílios domésticos.
Dica: Lave os produtos sem desperdiçar água. Retire rótulos de papel e tampas de metal.
Não recicle tomadas, cabos de panela.

Papel (lixeira cor azul)
Folhas de caderno, rascunho, xerox, rótulos, cartazes, aparas de papel, papelão, jornais, revistas, listas telefônicas, envelopes, caixas.
Dica: Os papéis devem estar secos e limpos.
Não recicle papel higiênico, guardanapo, etiquetas adesivas, fotografias, bitucas de cigarro, papel carbono, papéis metalizados, parafinados e plastificados.

Vidro (lixeira cor verde)
Garrafas, copos, cacos, potes, frascos em geral (perfumaria, produtos de higiene e limpeza).
Dica: Limpe o vidro, separe o rótulo e retire tampas de metal.
Não recicle espelhos, vidros planos, cerâmicas e porcelanas, tubos de TV e de computador.

Metal (lixeira cor amarela)
Embalagens de alumínio (latas de cerveja, refrigerante, suco) e de folha de flandres (leite em pó, óleo, conservas).
Dica: Prensar as latas é ótimo para economizar espaço.
Não recicle esponjas de aço, clipes, grampos, pregos, canos, tachinhas.

Madeira (lixeira cor preta)
Lascas de madeira.

Resíduos perigosos (lixeira cor laranja)
São considerados resíduos tóxicos as pilhas não-alcalinas, baterias, tintas e solventes, remédios vencidos, lâmpadas fluorescentes, inseticidas, embalagens de agrotóxicos e produtos químicos. As substâncias não biodegradáveis estão presentes nos plásticos, produtos de limpeza, em pesticidas e produtos eletroeletrônicos, e na radioatividade desprendida pelo urânio e outros metais atômicos, como o césio, utilizados em usinas, armas nucleares e equipamentos médicos. O cádmio, níquel, mercúrio e chumbo são os principais contaminantes.

Dicas:

- A separação adequada desses materiais é muito importante para evitar a contaminação do solo e dos lençóis freáticos. Tome cuidados básicos para embalar este tipo de resíduo: acondicione-o em sacos plásticos bem fechados, guarde-os em local arejado e protegido do sol, das crianças e dos animais.

- Segundo resolução 257 do CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente, os fabricantes e importadores são responsáveis pela coleta, armazenamento, transporte, reutilização e reciclagem, tratamento ou disposição final adequada de pilhas e baterias. Para saber onde levar suas pilhas e baterias usadas, consulte a lista dos postos de coleta no site do Ministério do Meio Ambiente.

Não recicláveis (lixeira cor cinza)
Papel higiênico, guardanapo, etiquetas adesivas, fotografias, bitucas de cigarro, papel carbono, papéis metalizados, parafinados e plastificados, espelhos, vidros planos, cerâmicas e porcelanas, tubos de TV e de computador, esponjas de aço, clipes, grampos, pregos, canos, tachinhas, tomadas e cabos de panela.

Orgânicos (lixeira cor marrom)
Pó de café e chá, cabelos, restos de alimentos, cascas e bagaços de frutas e verduras, ovos, legumes, alimentos estragados, ossos, aparas e podas de jardim.
Os resíduos orgânicos (restos de frutas, legumes, alimentos, folhas, grama, gravetos etc. que constituem normalmente a maior parte do lixo domiciliar) podem ser processados para se tornarem adubo orgânico. Essa transformação chama-se compostagem.

Ambulatório (lixeira cor branca )
Descartados por hospitais, farmácias, clínicas veterinárias (algodão, seringas, agulhas, restos de remédios, luvas, curativos, sangue coagulado, órgãos e tecidos removidos, meios de cultura e animais utilizados em testes, resina sintética, filmes fotográficos de raios X). Em função de suas características, merece um cuidado especial em seu acondicionamento, manipulação e disposição final. Deve ser incinerado e os resíduos levados para aterro sanitário.
CONFIRA NA TABELA ABAIXO O QUE PODE E O QUE NÃO PODE SER RECICLADO:
RECICLÁVEL
NÃO RECICLÁVEL
PAPEL LIMPO
PAPEL SUJO
Jornais e revistas
Fitas adesivas
Folhas de caderno
Papel carbono
Caixas de papel
Papeis sanitários
Cartazes
Papeis metalizados

Guardanapos

fotografias
PLÁSTICO
PLÁSTICO
Garrafas de refrigerantes
Cabo de panela
Embalagens de produtos de limpezas
Tomadas
Copinhos de café
Embalagens de biscoito
Embalagem de margarina, canos e tubos
Misturas de papel, plásticos e metais
Sacos plásticos em geral

Metal
Metal
Latinhas de aço (de óleo, de salsicha)
Pilhas
Latinhas de alumínio (como as de refrigerante)
Esponjas de aço ( usadas para lavar louça)
Panelas
Clipes
Pregos
Grampos
Arames

VIDRO
VIDRO
Garrafas de todos os tipos
Espelhos
Copos
Lâminas
Potes
Porcelana
Frascos
Cerâmica


                       PLANEJANDO UM PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

Para um programa de coleta seletiva obter sucesso, três etapas são imprescindíveis: planejamento, implantação e manutenção.
Atenção: nunca comece a separar sem definir um plano. Verifique se há na sua região um sistema de recolhimento especial, que permita que os materiais sejam recuperados para reciclagem, reuso ou compostagem.
O primeiro passo para organizar um programa de coleta seletiva é reunir um grupo de pessoas interessadas em fazer esse trabalho (cidades, bairros, condomínios, empresas, escolas, igrejas, associações etc.).
O planejamento do programa de coleta seletiva é específico para cada local, dependendo da análise de diferentes fatores como, por exemplo:
* O que pode ser reutilizado em vez de enviar para a reciclagem?
* Qual o volume e o tipo de lixo gerado diariamente?
* Onde estocar o material separado para a reciclagem?
* Qual destino terá o material (venda ou doação)?
* Quem poderá recolhê-lo? (prefeitura, empresas especializadas, catadores, entidades etc. Também é preciso verificar os dias, horários e condições específicas, como a exigência de um volume mínimo).
* Que recursos podem ser utilizados para incentivar a educação ambiental?
Qual destino dar aos resíduos recicláveis?
Programas municipais de coleta seletiva: Informe-se com a prefeitura de sua cidade se há um programa de coleta seletiva porta a porta ou PEV (posto de entrega voluntária).

Catadores: Informe-se sobre a atuação destes trabalhadores informais no seu bairro. Ao deixar combinado com eles uma rotina, é possível doar seus recicláveis (consulte novamente à prefeitura de sua cidade, que pode ter um cadastro das associações ou cooperativas de catadores).

Sucateiros que compram materiais: Consulte nas páginas amarelas da lista telefônica ou na internet sob os títulos sucata, ferro-velho, aparas ou pesquise. Os sucateiros exigem uma quantidade razoável de materiais para a retirada, por isso antes não se esqueça de certificar se você tem um local para estocar os materiais.

Entidades que recebem materiais em forma de doações: Normalmente, essas entidades recebem qualquer quantidade, desde que não tenham que retirar. Uma dica é fazer um contato telefônico prévio com a entidade mais próxima da sua casa ou escritório.

Equipe de limpeza: Consulte os auxiliares de limpeza de seu prédio, escola ou local de trabalho. Muitos costumam comercializar esses materiais com sucateiros (os materiais devem estar separados e limpos). Além de diminuir o volume do seu lixo, esta prática também pode ajudar a complementar a renda destes funcionários.

Hipermercados: Algumas redes de hipermercados funcionam como postos de entrega.

Os resíduos orgânicos (restos de frutas, legumes, alimentos, folhas, grama, gravetos etc. que constituem normalmente a maior parte do lixo domiciliar) podem ser processados para se tornarem adubo orgânico. Essa transformação chama-se compostagem.
"VAMOS INCENTIVAR A CONSCIENTIZAÇÃO DE PRESERVAÇÃO. TODOS NÓS FAZEMOS PARTE DESTE PLANETA QUE HOJE ESTÁ TÃO AMEAÇADO E DEPENDENTE DE NOSSAS AÇÕES. SE FIZERMOS NOSSA PARTE, CERTAMENTE TEREMOS INICIADO A SUA RECUPERAÇÃO E ISTO SERÁ NOSSO LEGADO AS GERAÇÕES FUTURAS.”
Fonte: www.ajudabrasil.org/
Postar um comentário