terça-feira, julho 09, 2013

Centenas de microrrobôs entram no corpo para fazer biópsia

Redação do Site Inovação Tecnológica - 04/07/2013
Centenas de microrrobôs entram no corpo para fazer biópsia 
Cada micropinça - aqui ao lado da abertura do catéter de um endoscópio - tem o tamanho de um grão de poeira. [Imagem: Evin Gultepe/Gracias Lab/Johns Hopkins University]




















Em 2009, cientistas da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, criaram microgarras capazes de manipular objetos sem usar eletricidade.
Na época, a equipe afirmou que seu objetivo de longo prazo era usar essas microgarras autônomas - elas são acionadas quimicamente, por calor ou por luz, dispensando fios ou baterias - para executar procedimentos no interior do corpo humano.
O prazo não está sendo tão longo assim, já que eles acabam de testar, com sucesso, a viabilidade do uso das microgarras para realizar biópsias em animais.

Biópsia robotizada

Centenas dessas pinças miniaturizadas, cada uma menor do que um grão de poeira, foram liberadas na boca, estômago e no trato gastrointestinal de animais vivos.
As microgarras usadas são ativadas autonomamente pelo calor do corpo do animal, fechando-se sobre o tecido, retirando um punhado de células, que podem ser usadas para realizar biópsias.
Como cada microgarra contém também um material magnético, elas são recuperadas por meio de um catéter que produz um campo magnético ao chegar ao ponto do organismo onde os "robôs" foram liberados.
"Esta é a primeira vez que se usa um dispositivo submilimétrico, do tamanho de um grão de poeira, para realizar uma biópsia em um animal vivo," disse David Gracias, ressaltando que eles escolheram porcos como cobaias devido à semelhança de seu trato intestinal com o dos humanos.
Centenas de microrrobôs entram no corpo para fazer biópsia
Centenas de microgarras prontas para serem inseridas no corpo das cobaias. [Imagem: Evin Gultepe/Gracias Lab/Johns Hopkins University]

"Esta é uma conquista significativa. E como podemos enviar as garras através de orifícios naturais, é um avanço importante em tratamentos minimamente invasivos e um passo em direção ao objetivo final de fazer procedimentos cirúrgicos não invasivos," acrescentou Gracias.

Robôs no corpo humano

Embora cada micropinça colete uma amostra de tecido muito menor do que as ferramentas atuais usadas para biópsias, os pesquisadores afirmam que elas recuperam células suficientes para uma inspecção microscópica efetiva e para análises genéticas.
Segundo os pesquisadores, agora é mais uma questão de dinheiro do que de tempo para que estes estudos possam começar a ser testados em humanos - dinheiro para financiar os próximos passos da pesquisa.
O experimento representa um dos passos mais significativos rumo à realização do sonho de procedimentos cirúrgicos no estilo Viagem Fantástica, em que robôs entram no corpo humano para tratar doenças.
Uma equipe suíça também já está se preparando para usar microrrobôs em tratamentos dos olhos.

Bibliografia:
Biopsy with Thermally-Responsive Untethered Microtools
Evin Gultepe, Jatinder S. Randhawa, Sachin Kadam, Sumitaka Yamanaka, Florin M. Selaru, Eun J. Shin, Anthony N. Kalloo, David H. Gracias
Advanced Materials
Vol.: 25, Issue 4, pages 514-519
DOI: 10.1002/adma.201203348

Biologic tissue sampling with untethered microgrippers
Evin Gultepe, Sumitaka Yamanaka, Kate E. Laflin, Sachin Kadam, YooSun Shim, Alexandru V. Olaru, Berkeley Limketkai, Mouen A. Khashab, Anthony N. Kalloo, David H. Gracias, Florin M. Selaru
Gastroenterology
Vol.: 144, Issue 4 , Pages 691-693
DOI: 10.1053/j.gastro.2013.01.066
Postar um comentário