segunda-feira, fevereiro 03, 2014

Aeroportos podem ser entrave para aviões do futuro?

Redação do Site Inovação Tecnológica - 31/01/2014
Aeroportos do futuro
Aviões-asa, ou asas voadoras, poderão carregar até 750 passageiros, que
deverão entrar e sair do avião no menor tempo possível.[Imagem: DLR]



Empecilhos em terra


Os estudos sobre como serão os aviões do futuro estão bem adiantados.
Tanto que engenheiros alemães já estão se preocupando em como os aeroportos terão que se preparar para esse futuro.
O grande dilema é que parece que o projeto atual de avião - um tubo com asas - será fatalmente substituído por asas voadoras, aviões modulares ou mesmo pelos mais radicais aviões hipersônicos.
A adoção desses novos projetos, contudo, pode esbarrar nos próprios aeroportos, que foram projetados para o design atual.
Será que uma nova tecnologia de aviação pode ficar emperrada por exigir a construção de aeroportos inteiramente novos?
Aeroportos do futuro
Serão
necessárias alterações nos sistemas de reabastecimento, checagens de
motores, manuseio de bagagens e embarque e desembarque de passageiros.
[Imagem: DLR]
Aeroporto 2030

Usando o aeroporto de Hamburgo como laboratório, Johann-Dietrich
Worner e seus colegas da agência espacial alemã (DLR) acreditam que não,
sendo possível acomodar asas voadoras sem grandes modificações nos
aeroportos atuais.

Na verdade, o projeto, chamado Aeroporto 2030, mostra que é possível
também melhorar os aeroportos, uma vez que, nas viagens domésticas, até
70% do tempo da viagem é gasto nos processos de checagem, embarque e
desembarque - ou seja, em terra.

A tática parece simples: fazer com que os passageiros passem o mais
rapidamente possível pelo aeroporto - sem esquecer que os projetos de
asas voadoras planejam colocar até 750 passageiros em um único avião.

Embora a maioria das modificações necessárias envolva melhoria nos
procedimentos de atendimento pré-voo - em terra -, como esses aviões
terão várias portas para embarque e desembarque, será necessário ajustar
também as rampas de acesso.

Também serão necessárias alterações nos sistemas de reabastecimento, checagens de motores e manuseio de bagagens.
A boa notícia é que o estudo conclui que tudo isto pode ser feito nos
aeroportos atuais, sem grandes obras de infraestrutura, mas com bom
gerenciamento.
Postar um comentário