domingo, maio 22, 2011

São Paulo prepara capital para a Virada Sustentável


Após receber seis edições da Virada Cultural, e três da Virada Esportiva, a cidade de São Paulo se prepara para receber um evento do mesmo porte, mas com cunho ambiental. A Virada Sustentável é novidade na capital paulista e ocorrerá em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente.
Na última quarta-feira (18) os organizadores do projeto apresentaram um plano com 300 atrações, espalhadas por 60 locais diferentes da cidade, como parques, cinemas, museus, metrôs e outros pontos importantes da cidade.

O evento ocorrerá em dois dias, mas diferente da Virada Cultural não se estenderá pela madrugada. O início se dará no sábado, dia quatro de junho, às oito da manhã, tendo o primeiro dia de atividades finalizado às 12 horas. No domingo, cinco de junho, quando é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente, a programação será mais longe, indo das 8h até as 20h.

Para que essa grande festa a favor da sustentabilidade se tornasse realidade a prefeitura contou com o apoio e patrocínio de ONGs, como a SOS Mata Atlântica, Greenpeace, WWF Brasil, Instituto Akatu, Rede Nossa São Paulo, entre outras, que também ficarão responsáveis por grande parte das atrações do evento.
Outro diferencial, em relação à Virada Cultural, é a dispensa dos patrocínios provenientes de empresas produtoras de bebidas alcoólicas e tabaco. Em troca disso, serão aplicadas ações como a neutralização das emissões de carbono geradas pela Virada Sustentável. Uma empresa especializada, que faz parte das quotas de patrocínio, se propôs a calcular a pegada de carbono, inclusive dos participantes, e plantar de quatro a seis mil árvores, para neutralizar o impacto ambiental.
As atrações variam desde exposições de arte feitas a partir do reaproveitamento de materiais que iriam para o lixo, e cinemas, até feira de troca de livros, roupas, CDs, entre outras coisas, sempre com o intuito de conscientizar a população paulistana aos cuidados e atenção que devem ser dedicados à preservação da natureza. Com informações do Estadão.
Redação CicloVivo
Postar um comentário