segunda-feira, fevereiro 20, 2012

Tietê e Pinheiros podem vir a ser rios limpos e navegáveis?


                
Utilizar os rios da cidade de São Paulo para o transporte é uma utopia? Mas para o grupo Metrópole Fluvial, da USP (Universidade de São Paulo), não. Eles elaboram projetos para viabilizar a ideia.No Reporter Éco/tv cultura( de 27/11/11 – 17h30)  mostra que é possível transformar esse sonho em realidade.  Entre outros estudos do grupo, o que chama mais a atenção é o do anel hidroviário da Grande São Paulo, unindo os rios Pinheiros e Tietê e as represas Taiaçupeba e Billings. Ele envolve a criação de um canal artificial de cerca de vinte quilômetros, para fazer a ligação entre eles. 

A prioridade do projeto é para o transporte de resíduos de um município a outro. O transporte de passageiros viria numa segunda etapa de implantação do anel hidroviário. "A navegação fluvial é importante para garantir a drenagem urbana. Se nós navegarmos por canais e lagos dos rios de São Paulo, a navegação fluvial vai manter o canal e evitar que ele transborde e cause transtornos todo o verão", explica  o coordenador do grupo, Alexandre Delijaicov.  O programa  também exibe matéria sobre o trabalho da organização ambientalista Imaflora, no Pará.


 A organização estimula os agricultores a terem pequenos viveiros para produzir espécies nativas da Amazônia ou para subsistência. Outra ação importante é convencer os produtores a não queimar o solo para preparar as áreas de lavoura, prática tradicional que esgota o solo e resulta em queimadas na floresta.  


O engenheiro florestal da ong, Marcos Nachtergaele, explica que a idéia é evitar que os agricultores avancem sobre áreas de floresta para plantar. "Quando você faz uma roça, limpa o terreno, queima essa madeira, você está liberando toda a matéria orgânica para o céu, para a atmosfera. E quando você pega, limpa essa área, deposita esse material de forma homogênea nesse terreno ou depositando no pé de alguma planta, você está facilitando que essa matéria orgânica vá ficar no solo e vai ser liberada aos poucos para as plantas".

Mais informações: http://www.tvcultura.com.br/
 http://www.assuapet.org.br/projetos/desassoreamento.htm
Postar um comentário