segunda-feira, março 17, 2014

Microscópio de R$1 é impresso e montado como origami

Com informações da BBC - 13/03/2014
 Microscópio de R$1 é impresso e montado como origami

Microscópio de dobraduras

Em teoria, um microscópio é um equipamento tão delicado que, a
princípio, parece impossível fabricar um deles apenas recortando uma
folha de papelão.

E, ainda por cima, a um custo final de R$1,20.

Mas foi exatamente isso que fez o bioengenheiro indiano Manu Prakash, da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos.

E a invenção pode salvar vidas em países em desenvolvimento, onde
faltam equipamentos para diagnosticar (e tratar) doenças corretamente.

As peças do Foldscope - algo como "dobraduroscópio" - são impressas
em papelão. Depois, são destacadas e montadas seguindo um sistema de
dobraduras e encaixes, lembrando um origami.

O Foldscope - que tem o formato de uma tira - ainda tem peças como
lentes, uma pequena lâmpada de LED e uma bateria semelhante à que é
usada em relógios.

O microscópio é montado em poucos minutos, e seu custo total é de US$ 0,50 (R$ 1,20).

A bateria do Foldscope funciona por até 50 horas, e o equipamento permite ampliar uma imagem em até 2 mil vezes.

Microscópio para detectar doenças

Prakash e sua equipe criaram 12 modelos diferentes de microscópios, cada um feito para diagnosticar uma doença específica.

Por ser impresso, ele pode ser fabricado em larga escala. Além disso,
o microscópio de papel é muito resistente: "Você pode molhá-lo, pisar e
pular nele e jogá-lo da altura de um prédio de três andares", diz
Prakash.

A ideia surgiu a partir das viagens do cientista e seus alunos a
países em desenvolvimento, onde eles ficaram impressionados com a falta
de infraestrutura para identificar doenças como a malária.

"No Quênia, não há remédios suficientes contra malária, mas ainda
assim eles são distribuídos mesmo que a doença não tenha sido
diagnosticada", afirma Prakash.

Além do desperdício, o uso indiscriminado dos medicamentos faz com
que os parasitas que causam a doença fiquem imunes aos tratamentos
disponíveis. Daí a importância dos microscópios, que permitem
identificar a presença do mal nos pacientes.

Em novembro, a Fundação Bill & Melinda Gates premiou Prakash com
US$ 100 mil (cerca de R$ 235 mil) para que ele teste o Foldscope na
Índia, na Tailândia e em Uganda.

O cientista agora selecionará 10 mil voluntários, entre médicos,
alunos de medicina, estudantes de nível primário e secundário e
pesquisadores, para testar seu invento.
Bibliografia:
Foldscope: Origami-based paper microscope
James Cybulski, James Clements, Manu Prakash
http://arxiv.org/abs/1403.1211
Postar um comentário