quinta-feira, junho 19, 2014

Material ativado com luz solar mata pernilongo da dengue

Com informações da UFMG - 17/06/2014
Material ativado com luz solar mata larvas <i>Aedes aegypti</i>




















O material, que fica boiando na superfície da água, reage por meio de um
processo fotocatalítico - um processo induzido pela radiação solar.
[Imagem: Luiza Ananda/UFMG]

Pesquisadores da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) desenvolveram um material que, em contato com a água e sob luz solar, impede a eclosão dos ovos dos pernilongos Aedes aegypti e mata as larvas recém-nascidas.

O material é fabricado na forma de um tijolo de concreto, que passa por um processo de tratamento químico sob pressão, no interior de uma autoclave.

Quando pronto, o tijolo é poroso e leve, com uma densidade menor do que a da água, o que o faz flutuar.

"Nossa intenção era trabalhar um processo ambientalmente correto e que contribuísse com os métodos e tecnologias já disponíveis para evitar a proliferação da dengue," conta o professor Jadson Belchior, coordenador da pesquisa, iniciada há um ano e meio.

Processo fotocalítico

Além de água limpa, as larvas do Aedes aegypti, pernilongo transmissor da dengue, precisa de material orgânico e oxigênio.

A proposta dos pesquisadores foi criar um mecanismo que não deixasse a larva eclodir ou não permitisse o desenvolvimento daquelas já formadas, matando-as por asfixia ou por falta de alimentação.

Depois de receber tratamento químico, o tijolo é cortado em cubos ou tabletes e depositado nos locais a serem protegidos.

O material, que fica boiando na superfície da água, reage por meio de um processo foto catalítico - um processo induzido pela radiação solar.

No momento em que ocorre a combinação de água, luz e tablete, gerado um composto químico que mata as larvas do pernilongo - o composto químico gerado ainda está sendo mantido em sigilo porque o processo está sendo patenteado.

A tecnologia pode ser utilizada em qualquer lugar onde houver a possibilidade de acúmulo de água, como vasos de plantas, calhas e caixas d'água. Sem água ou luz, o dispositivo não entra em atividade, uma vez que é necessária a combinação das duas condições para desencadear a ação.

A equipe também desenvolveu o material na forma de uma manta flexível, com as mesmas propriedades químicas dos tabletes, para facilitar a adaptação a determinadas estruturas, como as calhas, onde é comum o acúmulo de água - a manta assume o formato da estrutura e adere à superfície em que for colocada.

Segurança

O professor Jadson Belchior afirma que o material tem vida útil de quatro a cinco meses, o que seria suficiente para uma proteção durante a época do ano mais propícia à proliferação dos pernilongos e à transmissão da dengue.

Quando está inerte por falta de água ou de luz, o material não perde as características. "Havendo água e luz continuamente, a durabilidade é de cerca de quatro meses. Se, por exemplo, houver um intervalo de dois meses na atividade, a durabilidade sobe para seis meses", salienta.

Ele garante que o princípio ativo utilizado não é nocivo à saúde humana e não afeta a potabilidade da água, embora a tecnologia ainda dependa da aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para ser utilizada, por exemplo, em reservatórios de água para consumo humano.
Postar um comentário